icone
Serviços Online
» Conheça nossa edição digital
19/08/2017
Corpo de Bombeiros controla princípio de incêndio em carro
19/08/2017
Mateada segue até domingo
19/08/2017
Coperametista decreta luto oficial
19/08/2017
URI/FW e DCE promovem evento alusivo ao Dia do Estudante
icone
Leitor Interativo
» Leia o Artigo da Edição
» Márcio Silva | A vida sobre rodas

Deixem eles trabalharem!

 

Vivemos rodeados por normas, regras, leis, portarias, resoluções, instruções de serviços e procedimentos que norteiam diversos ou quase todos os comportamentos humanos de uma sociedade. Entretanto, será que realmente sabemos nos comportar no coletivo ou em público, seguindo todas essas regras? Será que quando a lei prevê como o nosso Código de Trânsito Brasileiro “Abrir mão do meu direito pela Preservação da Vida” eu abro mão do meu direito de trânsito?

Em todo o lugar que vamos, principalmente em lugares públicos, existem regras a serem seguidas, tomamos como exemplo a entrada em um banco. Primeiro deve-se deixar todos os pertences – principalmente os metais na gaveta antes de passar a porta giratória. De nada adianta brigar com o segurança do local caso a porta tranque com algum metal no bolso da calça ou na roupa, ou em alguma bolsa feminina que não tenha espaço na gaveta da porta giratória.

Embora muitas pessoas ignorem ou não gostem de algumas profissões que nitidamente nas atribuições desses profissionais está a cobrança, a fiscalização e caso necessário a notificação com penalidade de multa em caso da não-observação dos preceitos de alguma norma, por de trás dessas ações está a ênfase do bem comum e do bem-estar em coletividade. Lembramos que as possíveis penalidades atribuídas a quem descumprem a lei é a consequência: primeiro do trabalho, ou melhor, do dever funcional como representante de uma empresa ou órgão e segundo é consequência do mau comportamento ou do mau uso de um direito que ainda não é seu ou já deixou de ser seu, pois quando acaba o direito de um começa o do outro.

No trânsito não é diferente, o agente da autoridade só notifica ou penaliza quem descumpre a norma. Se você está dirigindo sem o cinto de segurança, está descumprindo uma norma do CTB que lhe rende uma multa em reais e mais pontos em sua CNH. Não adianta brigar com o agente da autoridade de trânsito se você é quem está errado. Você fez uma cirurgia e não seguiu os cuidados do pós-operatório, irá ter complicações, vai adiantar brigar com o médico se o tratamento se perder ou não der os resultados esperados? Por fim você vai fazer uma prova, um vestibular sem estar preparado qual vai ser o seu resultado? A sua nota na redação é zero, a culpa é do professor que corrigiu sua prova? E ainda, você almeja tanto tirar sua habilitação, mas não segue as regras do CTB, tampouco respeita os demais usuários das vias terrestres, então qual vai ser seu desempenho na prova teórica ou prática para obtenção do seu direito de dirigir? Não adianta reclamar do profissional/examinador que está lhe avaliando se você reprovar, pois ainda não está preparado e também não adianta reclamar das regras muito rígidas quando da reprovação, uma vez que, quando você se propôs a ser um motorista, sabia das exigências. Tais exigências ainda são muito brandas, caso contrário, não morreriam tantas pessoas no trânsito, ao contrário dos países desenvolvidos.

 

COMPARTILHE ESTA PÁGINA
Os comentários no site estão em fase experimental - não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas. Denuncie comentários ofensivos ou usuários fakes pelo e-mail site@oaltouruguai.com.br.
© 2012-2013 - O ALTO URUGUAI - Rua Getúlio Vargas, 201 - Ipiranga - Frederico Westphalen/RS - Fone: (55) 3744-3040. Site desenvolvido por LIFESITE.