icone
Serviços Online
» Conheça nossa edição digital
28/05/2017
Motorista é preso após acidente
28/05/2017
Dois homens são presos na região
28/05/2017
Undime realiza encontro durante o 32º Carijo
26/05/2017
Edição especial do AU neste sábado
icone
Leitor Interativo
» Leia o Artigo da Edição
» Luiz Carlos S. Fortes

Paradas de ônibus

Em nossa cidade e região percebemos constantemente o sofrimento das pessoas que precisam utilizar ônibus como meio de transporte. É nítida a falta de paradas de ônibus adequadas, que proporcionem abrigo para o sol, chuvas e, principalmente, para que as pessoas possam se proteger um pouco deste frio brutal que paira aqui pelos pagos gaúchos.

 

Obras públicas

Muito já se falou sobre como os tortuosos caminhos da burocracia e a dificuldade de obter dinheiro para investimentos acabam atrapalhando o andamento das obras públicas. Quem dera que fosse só isso. Mesmo quando se põe mãos à obra, as obras públicas custam a avançar por falta de puro bom senso e, por vezes, falta de interesse de outros envolvidos.

No Brasil é comum começar empreitadas sem saber exatamente quanto elas custarão no final. Frequentemente, os operários começam a trabalhar sem que os detalhes do projeto sejam conhecidos e a conta acaba no bolso da população, seja na forma de impostos para cobrir as despesas, seja por intermédio de aumento em tarifas de serviços.

E o que causa estranheza é o fato de que tanto tempo e dinheiro não estão sendo gastos para atingir feitos extraordinários, como levar astronautas a Marte. Trata-se da construção de pontes, quadras esportivas, estradas, entre outras obras cujas tecnologias a serem empregadas já são conhecidas há décadas ou séculos.

O que fazer para tornar a gestão pública mais inteligente e as obras mais céleres? Um projeto para mudar a lei ligada às licitações tramita no Senado desde 2013. Entre as mudanças previstas está a possibilidade de que as empreiteiras que vencerem licitações de uma obra sejam também responsáveis pelos respectivos projetos (hoje quase sempre feitos por outras empresas). Contudo, as empresas terão menos espaço para pedir aditivos de alteração de preço.

Outra alteração na lei que regulamenta as licitações visa ampliar o seguro que as construtoras obrigatoriamente contratam ao se comprometer com uma obra. Trata-se de uma garantia para o poder público, caso a empresa atrase ou abandone os projetos inacabados — nessa situação, os contratos são rescindidos e outra empresa é chamada para executar o trabalho.

 

Futsal

Mesmo com todo o frio que fazia na noite de quinta-feira, 9, um grande público esteve presente no ginásio municipal de esportes para acompanhar a equipe seberiense frente ao Ipiranga de Frederico Westphalen. Parabéns aos responsáveis pela equipe Toca e Sai/CMD Seberi, pela iniciativa de movimentar o futsal em nosso município. Seberi já vivenciou grandes momentos nesta modalidade. Assim podemos matar um pouco da saudade dos velhos tempos em que o nosso município respirava o futsal.

COMPARTILHE ESTA PÁGINA
Os comentários no site estão em fase experimental - não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas. Denuncie comentários ofensivos ou usuários fakes pelo e-mail site@oaltouruguai.com.br.
© 2012-2013 - O ALTO URUGUAI - Rua Getúlio Vargas, 201 - Ipiranga - Frederico Westphalen/RS - Fone: (55) 3744-3040. Site desenvolvido por LIFESITE.