icone
Serviços Online
» Conheça nossa edição digital
25/09/2017
Concurso irá escolher 12 desenhos para ilustrar calendário 2018
25/09/2017
Estação reinaugura com novidades
25/09/2017
Estudantes são premiados na 5ª Mostra de Ciências
25/09/2017
Secretaria de Esportes entrega alimentos para entidades
icone
Leitor Interativo
» Leia o Artigo da Edição
» Ivan Tasso

Comunidade São Miguel de Saltinho

Continuando o assunto da coluna anterior, com texto cedido pela secretaria da paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, constatamos que a primeira igreja foi construída por Aparício Ferreira, com madeira serrada a braço e material doado pela comunidade. Nesta pequena igreja rezava-se o terço com o primeiro Capelão Mário Taschetto e recebia-se a visita do padre uma ou duas vezes por ano. O sacerdote que rezou a primeira missa na comunidade foi o padre Umberto Puntel.

A falta de espaço físico levou as lideranças a pensarem na construção de uma capela maior. Construiu-se, então, por volta de 1955, a segunda capela com madeira serrada na serraria do Tomazi. Ainda neste ano, houve a troca do conselho, sendo coordenador Vitório Miotto. Com esforço concluíram a capela, compraram objetos sacros e também o Altar, adquirido em Constantina, a cômoda para guardar os paramentos litúrgicos comprados em Pinhal, o sino de trezentos quilos que veio de Porto Alegre e era tocado diariamente pela manhã, ao meio-dia, à tardinha e também para noticiar um falecimento e anunciar as celebrações.

A escolha do padroeiro São Miguel, que é festejado no dia 29 de setembro, deu-se por causa de um membro da comunidade que se chamava Miguel Oliveira, nascido em São Miguel do Braga, Cristal do Sul, e que devoto do mesmo, mandou buscar uma imagem do santo em São Paulo. Por volta de 1936, fez-se uma procissão e uma festa com a chegada da imagem à comunidade.

A terceira capela, esta de alvenaria, foi construída em 1976 e o modelo da mesma foi sugerido pelo bispo diocesano dom Bruno Maldaner. Porém, em visitas posteriores à comunidade, ele reclamava do estilo dos bancos que eram colocados nas laterais, ficando assim o centro da capela vago, devido a seu modelo arredondado. Dizia ele que o celebrante rezava olhando para as paredes e não para os fiéis. Por este motivo, e já necessitando de reformas, esta foi demolida em janeiro de 2000, dando espaço para uma quarta capela, mais ampla, moderna e imponente. (Continuo com o assunto na próxima coluna).

COMPARTILHE ESTA PÁGINA
Os comentários no site estão em fase experimental - não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas. Denuncie comentários ofensivos ou usuários fakes pelo e-mail site@oaltouruguai.com.br.
© 2012-2013 - O ALTO URUGUAI - Rua Getúlio Vargas, 201 - Ipiranga - Frederico Westphalen/RS - Fone: (55) 3744-3040. Site desenvolvido por LIFESITE.