icone
Serviços Online
» Conheça nossa edição digital
17/11/2017
Cine 8D é atração inédita na região
17/11/2017
Festa da padroeira é marcada por ordenação
17/11/2017
Pedidos para aquisição de alevinos podem ser feitos até esta sexta-feira
17/11/2017
Reta final na Campanha do Cimento
icone
Leitor Interativo
» Leia o Artigo da Edição
» César Riboli

Agradecer faz bem

As pessoas nesses tempos modernos se esforçam de todas as formas para fazer aquilo que faz bem para melhorar a qualidade de vida e para viver melhor. São muitas as terapias, atividades físicas, alimentação, cuidados com o corpo e com a aparência, qualquer novidade vale a pena experimentar e apostar.

Nunca houve tanta preocupação com a qualidade de vida, cada um faz o próprio esforço, usa de suas crenças e procura saber tudo o que existe de novidade que pode ser útil para ser incorporado ao modo de vida.

Refletir sobre a qualidade da vida moderna nos obriga a parar e pensar, aí parece que sentimos um vazio, isto porque a vida moderna está diretamente associada ao medo para a maioria das pessoas. Vivemos na condição de prisioneiros deste medo moderno. Na ilusão de termos mais segurança, construímos muros, grades, mudamos para apartamentos, tudo na esperança de que poderemos ter mais segurança, isso tudo nos leva a enormes frustrações e mais insegurança, pois continuamos a temer. Como consequência dessa vida agitada, insegura e estressada, aumenta a nossa ansiedade e angústia.

Mas e o que fazer diante deste quadro altamente preocupante em que vivemos nesta sociedade que chamamos de moderna? Nada! Ficar em casa! Aprender a conviver com essa vida moderna e suas formas de viver! Enfrentar com tranquilidade, serenidade e levar a vida normalmente, superando os osbstáculos um de cada vez, da forma como eles aparecem, sem limitar a vida aos perigos da vida moderna. O lazer está cada vez em menor prioridade em nossa vida, afinal, estamos sempre, ou quase sempre cansados e exaustos das tensões diárias.

O medo nos assusta e o temos porque é inerente ao próprio ser humano. Ele tem lá seu lado positivo, dizem os estudiosos com conhecimento no que dizem. Ele serve de alerta para a autopreservação, para a nossa própria proteção. Entretanto, não podemos permitir que esta autoproteção e proteção vire conduta doentia, porque aí não preservamos nem protegemos nada.

Faço esta reflexão para chegar à gratidão, ao agradecimento, atos do ser humano que escolhi para escrever nesta coluna. Gratidão, uma manifestação do sentimento de reconhecimento, a manifestação de uma emoção em decorrência de uma boa ação, de uma ajuda que alguém faz em favor do outro. É uma espécie de dívida moral que temos para com quem nos faz algo de bom. Para nós, católicos, nos remete a Deus, a forma de manifestar nosso contentamento por ter alcançado algum tipo de graça ou pelas realizações, pela felicidade.

Mas porque na sociedade dita moderna as pessoas vivem agitadas, esquecem destes atos de gratidão e de agradecer? Fui buscar na ciência a resposta para compreender os efeitos na pessoa que gera a gratidão. A resposta da ciência é de que a gratidão está diretamente ligada à felicidade. Surpresa! Não. A gratidão ajuda as pessoas a terem comportamentos positivos, a aproveitar melhor os bons momentos da vida, a lidar melhor com os problemas do cotidiano, melhora a saúde, contribuindo para a construção de relacionamentos mais fortes e estáveis. É o que diz a ciência, com quem não se pode discordar.

No mais, não podemos esquecer, que ninguém é obrigado a fazer algo por nós, por isso, devemos ser gratos por tudo o que for feito por nós. Agradecer a cada coisa boa, nos faz ver que temos mais a agradecer do que reclamar. Ser grato é ser justo, é uma das mais ricas virtudes do ser humano que parece não fazer parte do dicionário contemporâneo. Tudo é obrigação. Penso que devemos valorizar mais o que temos, isto nos fará menos ansiosas por aquilo que não temos. Por isso agradecer faz bem.

Por fim, caros leitores, a partir do mês de abril, terei a honra de compartilhar este espaço com o professor Manfio, estaremos semanalmente nos revezando, com o intuito de oferecer opiniões que estimulem nosso leitor.

COMPARTILHE ESTA PÁGINA
Os comentários no site estão em fase experimental - não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas. Denuncie comentários ofensivos ou usuários fakes pelo e-mail site@oaltouruguai.com.br.
© 2012-2013 - O ALTO URUGUAI - Rua Getúlio Vargas, 201 - Ipiranga - Frederico Westphalen/RS - Fone: (55) 3744-3040. Site desenvolvido por LIFESITE.