PUBLICIDADE
9 - coronavírus

Distanciamento controlado

Sequência no aumento de casos e de internações motivaram classificação

Publicado em 30/11/2020, última alteração em: 02/12/2020 09:12.

Por:



11 - Girassol

A região de Palmeira das Missões foi classificada pela segunda semana consecutiva em bandeira vermelha no mapa definitivo da 30ª rodada do modelo de distanciamento controlado adotado pelo governo do Estado para tentar conter o avanço da pandemia de coronavírus no Rio Grande do Sul.

Nos mais de 50 municípios que integram a região Covid em que a abrangência do AU está inclusa, o aumento no número de casos e na utilização de leitos de UTI, além da própria situação de piora da incidência da doença a nível estadual, foram os pontos determinantes para a classificação, a qual nem teve recurso solicitado pelo Comitê Operacional Emergencial (COE) Regional, segundo o governo gaúcho.

Diante da classificação e após uma reunião entre o Executivo gaúcho com prefeitos do Estado, nesta segunda-feira, 30, as restrições deverão ser intensificadas. Por um período de três semanas, o modelo de cogestão deverá ser extinto, fazendo com que a cor vermelha seja, de fato, aplicada. 

Porém, a medida não impacta os dias de funcionamento de comércio, indústria e serviços, mas limita o horário de funcionamento e de presença de público em bares e restaurantes. Eventos em áreas fechadas devem ser impedidos, sendo permitidos apenas em espaços abertos, desde que haja controle de acesso do público.

Além disso, ficam suspensos os eventos de final de ano e haverá reforço na divulgação das medidas de cuidado e na fiscalização de aglomerações irregulares. As medidas também devem limitar reuniões privadas ou familiares para a presença de até 10 pessoas.

Em relação as aulas, na semana passada o governo do Estado permitiu que o ensino presencial pudesse seguir funcionamento na rede pública e privada, mesmo com a bandeira vermelha, desde que respeitados os protocolos de segurança. A base para a decisão leva em consideração a tentativa de reduzir o impacto no ano letivo e ao não aumento significativo de casos em decorrência da volta dos estudantes às salas de aula.

*Mais informações você confere nas edições impressas do AU

COMENTÁRIOS

Os comentários no site não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas.